"A igreja essencial tem menos de nós e mais de Deus. Menos programas e mais amor, menos teoria e mais prática." Helder Roger

Nossos valores:

1) Comunhão com Jesus, através do Espírito Santo
2) Relacionamento de companheirismo e crescimento entre os seguidores de Jesus
3) Cumprimento da missão deixada por Jesus

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Ação pastoral na formação de um Protótipo - PG

video

Protótipo - Pequenos Grupos

video

Não ande sozinho!


Os Sete Erros de um Líder Novo de Pequeno Grupo

Eu nunca vou esquecer a primeira vez que fui convidado para liderar um pequeno grupo, que também passou a ser um grupo de turbo. Minha preocupação que superou todas as outras era o medo de que os membros do meu grupo não gostassem do jeito que eu estava liderando. Consequentemente, eu me senti tenso, o que naturalmente me fez mais reservado e menos natural para conduzir as discussões.
Ao final da reunião, porém, os outros participantes derramaram sobre mim um retorno muito positivo, embora eu tivesse a certeza de que não fiz um grande trabalho. Os comentários que me incentivaram mais foram quando as pessoas compartilharam como elas estavam com medo de estar na berlinda e fazer o que eu fiz. Eles não se achavam capazes de liderar um grupo, como eu fizera. Isso fez virar o jogo e resultou num incentivo para mim!
Em suma: a experiência coletiva do grupo foi levada a outro nível naquela noite, por causa da autenticidade de outros líderes; e eu aprendi minha primeira maior lição como líder novo de um pequeno grupo: a importância da autenticidade.
Abaixo você encontrará o que considero as sete armadilhas comuns que novos líderes de grupos frequentemente se deparam, ao longo do caminho de mudança de vida de liderança de pequenos grupos. Só sei que os erros estão prestes a acontecer e tudo bem. Deus não está à procura de "performance perfeita", mas sim, de corações que querem amá-Lo e aos outros também.
1. Não ser você mesmo
A autenticidade é a chave para o sucesso como um líder de grupo pequeno. Em geral, as pessoas não vão colocar-se por muito tempo com um pequeno grupo onde os membros não são genuínos uns com os outros. Depois, todos nós temos melhores maneiras de gastar o nosso tempo a cada semana. E a maior influência sobre a autenticidade dentro de um pequeno grupo é sem dúvida o quão real o líder do pequeno grupo se comporta dentro do grupo. Será que ele capaz de confessar “pecados” e admitir falhas, ou se ele tentará projetar uma imagem de perfeição? Será que ele é humilde o bastante para pedir ajuda quando as coisas ficam difíceis, ou ela tenta resolver tudo sozinho? A saúde de um pequeno grupo está diretamente ligada ao grau de liberdade que os membros têm de serem eles mesmos, e que começa com o líder.
John Ortberg diz muito bem: "Você não pode ser completamente amado se não é totalmente conhecido. Você só pode ser completamente amado, se você se tornar completamente conhecidos". As pessoas querem ir a algum lugar onde eles são amadas pelo que são e não pelo que eles sintam que têm que ser. Participantes do grupo devem seguir o exemplo do líder do pequeno grupo; desta forma, mais do que imaginam, vulnerabilidade, demonstrada a partir da liderança, tem um poder tremendo de comprometer a saúde da vida do grupo.
2. Sobrecarga
O maior erro evitável cometido por líderes de pequenos grupos ocorre quando eles tentam realizar demais. É a síndrome do "Eu faço sozinho". Existem três maneiras principais para isso acontecer:
• Não identificação de um associado – Devemos seguir os exemplos de Jesus e do apóstolo Paulo, desenvolvendo co-líderes para nos ajudar a ministrar (Lucas 6:12-13; 2 Timóteo 2:2). Simplificando: o impacto de sua liderança é aumentado exponencialmente com o apoio de associados. Eles ajudam a aliviar a sua carga, bem como fornecer apoio e perspectiva de facilitação. Além disso, outros líderes são necessários para que um grupo pretenda gerenciar o seu crescimento por sub-agrupamento ou multiplicação, e assim, mais pessoas possam ser alcançadas e incluídas.
• Não pedindo aos participantes para tomar posse em diferentes aspectos da vida do grupo pequeno – Os líderes do grupo podem economizar muito tempo e energia mental apenas por encontrar um membro administrativamente dotado para cuidar dos pedidos de ajuda, de oração, etc., por telefone, informações de contato, cuidar das datas de aniversários, de busca dos ausentes, e assim por diante.
• Não facilitar as discussões – Os líderes do grupo podem cair numa armadilha quando se definem como professores, como alguém acusado de se tornar um especialista em um assunto e, então, criar um interessante "lição educativa" (sermão) para cada reunião do grupo. Em vez disso, os líderes do grupo devem ver-se como facilitadores das discussões. Eles precisam estar preparados, sim, para conduzir discussão em currículo, e nunca devem assumir todas as responsabilidades.
3. Falta do cultivo de uma orientação externa para o pensamento grupo
A grande maioria dos pequenos grupos é naturalmente introvertida. Os grupos têm autofoco. Isso pode ser saudável quando fortes laços interpessoais são desenvolvidos. Mas os líderes do grupo cometem um erro quando eles não conseguem ver como é crítico ser intencional quanto ao dirigir a consciência das pessoas de fora do grupo.
Um grupo que está junto por muito tempo, corre o risco de torna-se ineficaz, não só no companheirismo, mas também no evangelismo. Há duas razões principais para isso. Primeiro, uma prolongada introversão seca a dinâmica do grupo, e gera conflito interpessoal sobre questões triviais, e resulta em um indesejável egocentrismo. Todas essas coisas podem paralisar o alcance do grupo. Segundo, teologicamente falando, discipulado e evangelismo alimentam um ao outro (Mateus 28:19-20). Se o líder do pequeno grupo não procurar nutrir uma orientação para as atividades externas do grupo, o vínculo da comunidade lentamente atrofia e, eventualmente, implode o próprio grupo.
Uma maneira simples para um grupo começar a voltar ao exterior é orar intencionalmente pelos amigos e familiares que não comungam nossa fé. Tais orações estimulam a graça de Deus, e os grupos que servem como canais para o fluxo da graça permanecem saudáveis. Por outro lado, os grupos que acumulam a graça de Deus podem azedar.
4. A necessidade de esconder o currículo ruim
Às vezes, o currículo mata os pequenos grupos. Significa dizer que temos muitas obrigações e tarefas nos pequenos grupos que definitivamente não ajudam no relacionamento, nem na salvação das pessoas. Aqui está uma regra de ouro: Se algo não está funcionando, por que insistir? Passa para outra coisa. Para seguir em frente, é importante verificar, como um grupo, se as pessoas estão interessadas, e vai funcionar.
Eu recomendo evitar currículo em pequeno grupo, programas volumosos, amarrados em detalhes, que requerem um monte de "lição de casa", e alvos estressantes. O melhor é ter um currículo/programa que envolva a mente das pessoas, estimule a interação e as relações construtivas.
Aqui está outra regra de ouro: Se você não está recebendo um retorno sobre um estudo específico, as pessoas provavelmente não estão gostando. A maioria dos membros do grupo que não gostam de currículo tende a não dizer isso ao líder do pequeno grupo, mas finalmente, param de assistir.
5. Perder o lado criativo
Não perca o seu lado criativo; quando liderar um grupo pequeno mantenha as coisas frescas. Seja espontâneo na mudança de rotina do seu grupo. Tenha passeios sociais juntos que são apenas para diversão. Encontrar maneiras de misturar as coisas a cada nova estação.
Também é importante desenvolver continuamente todos os propósitos e valores fundamentais de sua igreja na vida do grupo. Você nunca será capaz de equilibrar perfeitamente, ou experimentar todos eles em cada encontro, mas com crescer juntos ao longo do tempo, seu grupo vai perceber e mudar de maneira saudável.
6. Ser inflexível
Se você pudesse ver um gráfico de crescimento do seu grupo em conexão com o tempo, você não vai ver uma linha reta. Os altos e baixos da vida teriam tido o seu impacto, e a percepção de arranques e paradas. Permita-os. Não é a programação que você tem de manter. Tenha tempo de modo a permitir que os membros do seu grupo possam amar uns aos outros em vez de rigidamente tentar ficar com uma agenda pré-planejada.
Por exemplo, quando os membros estão passando por uma temporada difícil, seu grupo deve ter o tempo para parar, escutar e orar por eles. Quando surgem crises, convocar uma reunião de emergência. Ou cancelar uma reunião existente para celebrar um triunfo. Ao permitir um fluxo e refluxo natural, de quando e como o grupo se reúne, você estará construindo uma tolerância e criando uma estrutura orgânica que se encaixa com a vida de seus participantes. Por sua vez, eles vão sentir o que você está fazendo, apreciá-lo, e abrir mais espaço em sua vida para o grupo.
7. Falha em reconhecer a individualidade no seu grupo
Como líder, é vital tomar tempo para saber quem está no seu grupo. Isso começa com o primeiro encontro, quando você fala sobre o que vocês estarão fazendo juntos como um grupo, estará aprendendo sobre eles. Aqui estão algumas perguntas que ajudarão manter em mente cada membro do grupo:
1. Quem são eles? Quais são as suas paixões pessoais, profissões, e outros interesses?
2. Quanto tempo eles têm estado em sua igreja?
3. Quais são suas expectativas ao participar do pequeno grupo?
Essa conversa inicial influencia a maneira em que seu grupo se envolve com o seu trabalho futuro. Estar sempre disposto a ouvir o que as pessoas têm a dizer e onde elas se encontram espiritualmente.
Conclusão
Lembre-se do princípio básico: seu pequeno grupo vai ser saudável quando as pessoas sentirem-se amadas. Isso não é tudo para você, como líder, mas você é um catalisador primário para eles. E não se esqueça de Deus. Um líder de grupo pequeno é a pessoa que assume a liderança na criação e manutenção de um ambiente onde a comunidade bíblica pode prosperar, mas é Deus quem faz o crescimento real (1 Coríntios 3:6-7).
Boa sorte!
Reid Smith

Tradução e adaptação Umberto Moura 

O Papel do Pequeno Grupo e do Protótipo no Discipulado

Precisa ficar claro que Deus não tem uma missão para Sua igreja, mas uma igreja para Sua missão. E esta é a missão de Deus, que foi comissionada em João 20:21: “Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai Me enviou, Eu também vos envio.”
O fato é que a igreja não tem uma missão em si. Mas, devido à entrada do pecado e ao processo degenerativo que esse trouxe ao mundo, Deus concedeu ao ser humano o privilégio de participar e se envolver em Sua missão... continue http://missaourbana.net/index.php/o-papel-do-pequeno-grupo-e-do-prototipo-no-discipulado/ (extraído do site missão urbana)

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Conexão da Rede de Pequenos Grupos


"Conexão da Rede de Pequenos Grupos" (projeto local) é uma forma sugestiva de atividades durante o ano, que visa manter as comunidades de PG's ligadas uma às outras. Isto resulta em inspiração, motivação e oportunidade de novas conversões, além de proporcionar um ambiente mais adequado ao gerenciamento e avaliação do funcionamento da Rede de PG's. E diante dos desafios da perca do "foco", talvez estas atividades lhe ajude a potencializar mais este projeto/estilo de vida em sua igreja.